27 de out de 2017

Retrato do artista quando coisa

O Apanhador de Desperdícios

Uso a palavra para compor meus silêncios.
Não gosto das palavras
fatigadas de informar.
Dou mais respeito
às que vivem de barriga no chão
tipo água pedra sapo.
Entendo bem o sotaque das águas.
Dou respeito às coisas desimportantes
e aos seres desimportantes.
Prezo insetos mais que aviões.
Prezo a velocidade
das tartarugas mais que a dos mísseis.
Tenho em mim esse atraso de nascença.
Eu fui aparelhado
para gostar de passarinhos.
Tenho abundância de ser feliz por isso.
Meu quintal é maior do que o mundo.
Sou um apanhador de desperdícios:
Amo os restos
como as boas moscas.
Queria que a minha voz tivesse um formato de canto.
Porque eu não sou da informática:
eu sou da invencionática.
Só uso a palavra para compor meus silêncios.

Manoel de Barros
[em Memórias Inventadas
]

Manoel de Barros. Meu quintal é maior do que o mundo. Antologia. 2015. p. 122.

7 de ago de 2017

But I ain't got no brains in my heart.

Há poucos minutos descobri essa música do The White Bufallo e gostei muito.


Every single thought inside my head
Telling me that this old heart is dead
But I ain't got no brains in my heart
...

Every solitary bone inside of me
Telling me that it's my time to leave
But I ain't got no bones in my heart
...

Hearts aren't always red
They're black and blue
But I got you
...

The White Buffalo - I Got You (feat. Audra Mae)

6 de ago de 2017

mulher que diz tchau

"Levo comigo um maço vazio e amassado de Republicana e uma revista velha que ficou por aqui. Levo comigo as duas últimas passagens de trem. Levo comigo um guardanapo de papel com minha cara que você desenhou, da boca sai um balãozinho com palavras, as palavras dizem coisas engraçadas. Também levo comigo uma folha de acácia recolhida na rua, uma outra noite, quando caminhávamos separados pela multidão. E outra folha, petrificada, branca, com um furinho como uma janela, e a janela estava fechada pela água e eu soprei e vi você e esse foi o dia em que a sorte começou.

Levo comigo o gosto do vinho na boca. (Por todas as coisas boas, diziamos, todas as coisas cada vez melhores que nos vão acontecer.)

Não levo uma única gota de veneno. Levo os beijos de quando você partia (eu nunca estava dormindo, nunca). E um assombro por tudo isso que nenhuma carta, nenhuma explicação, podem dizer a ninguém o que foi."

Eduardo Galeano. Vagamundo. p. 25.

17 de jul de 2017

Desenho: flores e insetos

Olá! :)

Estou de férias! Ou seja, tenho tempo para fazer nada & desenhar.
Passei a tarde treinando desenhos de flores e insetos, com aquarela e caneta preta.
Tem uma sombra nas fotografias, mas acabou a bateria da câmera e eu não quis tirar outras fotos, então convivam com essa dor. 

PS.: Eu deveria comprar um celular novo com uma câmera decente. Tenho um dinheiro guardado, mas estou em dúvida entre comprar um celular ou uma bicicleta (é sério!), hahaha. 

Abraço!